Nutricionando | Nutrição, Saúde e Alimentação
Conteúdos (clique para ver)
  1. Rica em antioxidantes
  2. Possui propriedades anti-inflamatórias
  3. Faz bem para o cérebro
  4. Aumenta o controle de açúcar no sangue
  5. Diminui o colesterol
  6. Possui propriedades anticancerígenas
  7. Outros benefícios
  8. 11. Ela é extremamente versátil

A pimenta do reino é uma das especiarias mais usadas no mundo.

É feita moendo grãos de pimenta, frutos secos da videira Piper nigrum. Tem um sabor forte e levemente picante que combina com muitas receitas.

Ela foi considerada a “rainha das especiarias” e usada na antiga medicina ayurvédica por milhares de anos, devido à sua alta concentração de compostos vegetais potentes e benéficos (1, 2).

Veja os principais benefícios para a saúde da pimenta do reino, segundo a ciência.

1. Rica em antioxidantes

Os radicais livres são moléculas instáveis ​​que podem danificar as células. Alguns são criados naturalmente – como quando fazemos exercícios e digerimos alimentos.

Entretanto, podem ser formados excessivamente com exposição a fatores como poluição, fumaça de cigarro e raios solares (3).

O excesso de danos causados ​​pelos radicais livres pode levar a sérios problemas de saúde. Como inflamação, envelhecimento prematuro, doenças cardíacas e certos tipos de câncer (4, 5, 6).

A pimenta do reino é rica em um composto vegetal chamado piperina, que estudos em tubos de ensaio descobriram ter propriedades antioxidantes potentes.

Estudos sugerem que uma dieta rica nessas substâncias ajuda a prevenir ou retardar os efeitos nocivos dos radicais livres (1, 7).

Estudos em tubos de ensaio e roedores observaram que os suplementos de pimenta do reino e piperina reduzem esses danos (8).

Ratos que foram alimentados com uma dieta rica em gordura e pimenta tiveram menos marcadores de dano de radicais livres em suas células após 10 semanas, em comparação com aqueles alimentados com uma dieta apenas rica em gordura (9).

2. Possui propriedades anti-inflamatórias

A inflamação crônica pode ser um fator subjacente em muitas condições, como artrite, doenças cardíacas, diabetes e câncer (10, 11).

Muitos estudos de laboratório sugerem que a piperina – o principal composto ativo da pimenta do reino – pode efetivamente combatê-la (12).

Por exemplo, em um realizado em ratos com artrite, o tratamento com piperina resultou em menos inchaço nas articulações e menos marcadores sanguíneos de inflamação (13, 14).

Em estudos com camundongos, ela diminuiu a inflamação nas vias aéreas causada por asma e alergias sazonais (15, 16).

No entanto, os efeitos anti-inflamatórios ainda não foram estudados em pessoas.

3. Faz bem para o cérebro

pimenta do reino faz bem para o cérebro

A piperina demonstrou melhorar a função cerebral em estudos com animais.

Em particular, benefícios potenciais para sintomas relacionados a doenças cerebrais degenerativas como a doença de Alzheimer e Parkinson (17, 18).

Por exemplo, um estudo em ratos com a primeira descobriu que a piperina melhorou a memória, já que permitiu que eles repetissem o labirinto com mais eficiência do que aqueles que não receberam o composto (19).

Em outro estudo com roedores, o extrato da substância diminuiu a formação de placas amilóides, que são aglomerados densos de fragmentos protéicos prejudiciais no cérebro, ligados à doença de Alzheimer (20, 21).

No entanto, estudos em humanos são necessários para confirmar se esses efeitos também são observados além dos animais.

Veja também:

Tudo o que você precisa saber sobre o limão

Os Principais Benefícios da Cebola para Saúde

Os principais benefícios da sálvia

4. Aumenta o controle de açúcar no sangue

Estudos sugerem que a piperina ajuda a melhorar o metabolismo do açúcar no sangue (22, 23, 24).

Em um estudo, ratos alimentados com um extrato de pimenta do reino tiveram um aumento menor nos níveis de açúcar no sangue após consumir glicose, em comparação com aqueles do grupo controle (25).

Além disso, 86 pessoas com sobrepeso tomando um suplemento contendo piperina e outros compostos por 8 semanas experimentaram melhorias significativas na sensibilidade à insulina.

Uma medida de quão bem o hormônio remove glicose da corrente sanguínea (26).

No entanto, não está claro se os mesmos efeitos ocorreriam com a pimenta do reino sozinha, já que uma combinação de muitos compostos vegetais ativos foi usada neste estudo.

5. Diminui o colesterol

O colesterol elevado no sangue está associado a um risco maior de doença cardíaca, a principal causa de morte no mundo (27, 28).

O extrato de pimenta do reino tem sido estudado em animais por seu potencial para reduzir esses níveis (29, 30, 31).

Em um estudo de 42 dias, ratos alimentados com uma dieta rica em gordura e um extrato da pimenta diminuíram o colesterol no sangue, incluindo o LDL (ruim).

Os mesmos efeitos não foram observados no grupo controle (31).

Além disso, acredita-se que a pimenta do reino e a piperina aumentam a absorção de suplementos dietéticos que têm efeitos potenciais de redução do colesterol, como o açafrão e o arroz vermelho fermentado (32, 33).

Por exemplo, estudos mostraram que a pimenta pode aumentar a absorção do componente ativo da cúrcuma – curcumina – em até 2.000% (34).

Ainda assim, mais estudos são necessários para determinar se a própria pimenta do reino tem efeitos significativos na redução do colesterol em humanos.

6. Possui propriedades anticancerígenas

Os pesquisadores acreditam que a piperina tem propriedades de combate ao câncer (35, 36).

Embora nenhum estudo em humanos tenha sido realizado, aqueles realizados em tubo de ensaio descobriram que ela diminuiu a replicação das células cancerígenas da mama, da próstata e do cólon (37, 38, 39, 40).

Outro estudo de tubo de ensaio rastreou 55 compostos de especiarias e observou que a piperina era a mais eficaz no aumento da eficácia do tratamento tradicional para o câncer de mama triplo negativo, o tipo mais agressivo (41).

Além disso, ela mostrou efeitos promissores em estudos de laboratório para reverter a resistência a múltiplas drogas em células cancerígenas – uma questão que interfere na eficácia do tratamento quimioterápico (42, 43).

7-10. Outros benefícios

A pimenta do reino pode beneficiar a saúde de muitas outras maneiras, de acordo com pesquisas preliminares:

  • **7. Aumenta a absorção de nutrientes – **Ela aumenta a absorção de nutrientes essenciais como cálcio e selênio, bem como alguns compostos vegetais benéficos, como os encontrados no chá verde e açafrão (1, 44).
  • 8. Promove a saúde intestinal – A composição de suas bactérias intestinais tem sido associada à função imunológica, humor, doenças crônicas e muito mais. Pesquisas preliminares sugerem que a pimenta do reino pode aumentar as boas bactérias do intestino (1, 45).
  • 9. Oferece alívio da dor – Embora ainda precise ser testado em humanos, estudos em roedores sugerem que a piperina pode ser um analgésico natural (46, 47).
  • 10. Reduz o apetite – Em um pequeno estudo, 16 adultos relataram redução do apetite depois de beber uma bebida à base de pimenta do reino, em comparação a água com sabor. No entanto, outros estudos não mostraram os mesmos efeitos (48, 49).

11. Ela é extremamente versátil

A pimenta do reino tornou-se um alimento básico nas residências de todo o mundo.

Com o seu calor sútil e sabor arrojado, é versátil e pode melhorar praticamente qualquer prato.

Uma pitada funciona bem para legumes cozidos, massas, carne, peixe, frango e muito mais.

Ela também combina bem com outros temperos saudáveis, incluindo açafrão, cominho, alho e casca de limão.


Pimenta do reino e seu composto ativo piperina podem ter propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias potentes.

Estudos laboratoriais sugerem que elas podem melhorar os níveis de colesterol, o controle do açúcar no sangue e a saúde do cérebro e do intestino.

Apesar desses resultados promissores, mais estudos em humanos são necessários para entender melhor os benefícios exatos para saúde.

Independentemente disso, ela vale a pena adicionar à sua rotina culinária diária, já que seu sabor ousado é um ótimo complemento para praticamente qualquer receita.


Esse artigo foi atualizado em 2019-11-07