Tudo sobre Nutrição, Saúde e Alimentação.
Conteúdos (clique para ver)

Estresse é o estado de tensão mental ou emocional e pode ser causado por diversas razões.

Em um momento ou outro, lidamos com esses sentimentos, principalmente durante a vida adulta.

Nessas situações, liberamos um hormônio chamado glicocorticóides, uma resposta natural para que o nosso corpo fique atento.

Esse processo faz com que tenhamos muita fome, geralmente querendo açúcar ou gordura, já que eles ativam o prazer no nosso cérebro e fornecem energia rapidamente.

O problema é que alguns deles tendem a piorar o estresse, enquanto outros são responsáveis por aliviar. Vamos conhecer cada um deles?

Alimentos que aumentam o estresse

Alimentos que aumentam o stress

Sorvete

Ele pode representar um alívio momentâneo, e só. O sorvete é rico em açúcar refinado, responsável por aumentar os hormônios do estresse, incluindo o cortisol.

Como nosso corpo não consegue absorver todo o carboidrato, os níveis de glicose acabam diminuindo rapidamente.

Essa montanha russa faz com que nosso cérebro entenda esse processo como uma situação de risco de vida e sintetiza mais do hormônio em nosso corpo, provocando fome e mantendo o ciclo de estresse.

Café

O café é conhecido por seu efeito estimulante, por aumentar a energia e por diminuir o risco de depressão, porque induz a atividade da dopamina.

Porém, esse composto químico também pode atenuar a absorção de nutrientes essenciais para o equilíbrio do humor, como a vitamina D e as vitaminas do complexo B.

Tudo pode piorar caso ele possua algumas colheres de açúcar, já que, como vimos no primeiro item, isso pode causar causar um pico alto seguido de uma grande queda de glicose, fazendo com que nosso corpo libere mais cortisol, acentuando o estresse.

Veja também:

O que são e para que servem os micronutrientes?

21 Hábitos para uma Vida Saudável

Os Principais Alimentos que Fazem Bem Para a Pele

Comida oriental

Quando o nosso corpo precisar ficar em alerta, geralmente durante os períodos de estresse, uma das respostas é elevar a pressão arterial.

Ingerir alimentos ricos em sódio pode intensificar a resposta ao estresse, piorando a regulação da pressão sanguínea no organismo.

A comida oriental, principalmente japonesa e chinesa, são conhecidas pela quantidade de sódio que carregam. Outros exemplos são os produtos ultraprocessados, como fast food e nuggets.

Sucos

Opções saudáveis são uma boa pedida para momentos de ansiedade, mas as frutas e, consequentemente seus sucos são ricos em glicose e frutose.

Esses carboidratos desencadeiam no organismo o hormônio do estresse, a adrenalina.

Além disso, estudos recentes mostram que a frutose pode alterar a forma como o nosso cérebro responde ao estresse, em nível genético.

Portanto, é melhor ficar só na água e evitar qualquer tipo de suco, inclusive os naturais.

Tofu

A soja é uma ameaça tripla quando se trata de estresse. Para começar, 90% dos produtos feitos a partir do grão são transgênicos.

Ela é tratada com glifosato, um herbicida que provoca deficiências nutricionais, especialmente em relação aos minerais que estabilizam o humor.

A soja também é rica em cobre, que está intimamente ligado ao comportamento ansioso.

Farelo de trigo

Já falamos sobre os benefícios do farelo de trigo. Ele possui um impressionante teor de fibra, sendo extremamente saudável para o organismo.

Porém, pela sua quantidade de ácido fítico, não é uma opção bem vinda quando o assunto é estresse e ansiedade.

Esse anti-nutriente limita a absorção de minerais importantes relacionados ao humor, como o zinco e o magnésio.

O ácido fítico é encontrado principalmente em grãos integrais e em leguminosas, como o feijão.

Vinho tinto

Muitos podem pensar que uma taça de vinho ajuda a acalmar e diminuir a ansiedade.

Porém, estudos sugerem que o álcool antes de dormir pode causar problemas de sono, oscilações de açúcar no sangue e desidratação – fatores que aumentam ainda mais os hormônios do estresse.

Alimentos que diminuem o estresse

Alimentos que diminuem o estresse

Espinafre

A deficiência de ácido fólico pode suprimir a produção de S-adenosilmetionina, um composto natural que ajuda a produzir a serotonina e a dopamina, ligadas ao bem estar.

Além disso, quando estamos cronicamente estressados, o cérebro começa a sintetizar mais hormônios como adrenalina e cortisol, e menos neurotransmissores associados a felicidade, como os que citamos acima.

O espinafre é rico em ácido fólico e três unidades fornecem quase metade da ingestão recomendada por dia. Feijão, grão de bico, lentilha, aspargos, abacate e brócolis são outros alimentos ricos nesse nutriente.

Azeite de Oliva

Um relatório descobriu que apenas duas colheres de sopa por dia podem diminuir significamente a pressão arterial em apenas três semanas.

Já um estudo mostrou que pessoas que consumiam o óleo diariamente obtinham um aumento maior do hormônio da felicidade – a serotonina – em relação aquelas que comiam outros tipos de gordura.

A razão está ligada ao processamento mínimo do azeite, mantendo alto os níveis de fenóis, que promovem a saúde.

Esse conteúdo diminui com o tempo e, particularmente, quando exposto ao calor e a luz, ou seja, ele deve ser armazenado em um local fresco e escuro, com um tempo limitado de consumo.

Aveia

Quando estamos estressados, a serotonina em nosso corpo é afetada.

Os carboidratos desempenham um papel na construção do neurotransmissor. Essa é uma das razões pelos quais sentimos a necessidade desse nutriente quando estamos com esse sentimento.

Para satisfazer essa vontade, o ideal é consumir os tipos complexos de digestão lenta para promover níveis estáveis de açúcar no sangue ao invés dos refinados, que causam picos e depressões.

A aveia é um ótimo exemplo, pois também fornece triptofano, o aminoácido precursor da serotonina.

Ela também é rica em vitamina B6, nutriente que ajuda a nos manter concentrado para evitar que você a se sentir como antes.

Salmão

O consumo regular de peixes com gordura como o salmão e atum beneficiam o humor. Isso porque eles são ricos em ômega-3, um ácido graxo que estimula a serotonina a passar pelas membranas celular e se multiplicar.

Essa gordura também ajuda a diminuir a inflamação, um efeito colateral comum do estresse crônico.

Morango

Além de ser rico em fibras, o morango também é uma boa fonte de vitamina C, um antioxidante que age nos ajudando a lidar com situações estressantes.

Segundo estudos, os níveis de cortisol diminuíram rapidamente em indivíduos que receberam suplemento desta vitamina.

A pressão arterial dos participantes também retornou ao normal com mais agilidade nesse grupo.

Chocolate amargo

Para funcionar, ele deve possuir 70% ou mais de cacau, já que o ingrediente fornece vários antioxidantes que estimulam a serotonina e ajudam a aliviar o estresse.

O chocolate ao leite e branco são cheios de açúcar e só causam picos de glicose no organismo, que como explicado acima, só atenua a ansiedade e mal estar.

Nozes

As nozes possuem alto teor de magnésio, vital para o mecanismo de enfrentamento de estresse natural do nosso corpo.

Muitas pessoas não consomem o suficiente desse nutriente, cuja a deficiência pode causar pressão alta, insônia, fadiga ou perda de apetite.

Além disso, as nozes também são ricas em selênio, que estimula o humor. Possuem o aminoácido triptofano, precursor da serotonina. E também ácidos graxos ômega-3, que ajuda a aliviar a depressão.

Ovos

Cerca de três ovos fornecem mais de um terço da ingestão diária recomendada de vitamina D, nutriente que aumenta os níveis de serotonina e dopamina, melhorando o humor e o bem estar.

A proteína e a gordura presentes fornecem uma digestão lenta, ideal para estabilizar os níveis de açúcar no sangue após um episódio de estresse.