Nutricionando | Nutrição, Saúde e Alimentação
Conteúdos (clique para ver)

A maioria das pessoas estão começando a aceitar a ideia de que “dietas” - o tipo que a lista do que é permitido é muito maior do que não é - não funcionam no longo prazo.

De fato, os relatórios agora mostram que cerca de 90% a 95% de todas as dietas falham, e é aí que entra a alimentação intuitiva (1, 2).

Uma das ironias por trás de dietas fracassadas e dieta ioiô é que, finalmente, algumas dietas da moda até engordam.

Enquanto isso, as pessoas tendem a se culpar, sentindo falta de força de vontade, sem autocontrole e má genética são as razões pelas quais não podem perder peso e mantê-lo.

Às vezes, eles se culpam tanto que param de comer e entram em um modo perigoso de fome, em vez de adotar uma abordagem mais saudável, como uma alimentação consciente.

Na linha de abordagens mais saudáveis ​​para comer, vem a "alimentação intuitiva" (AI), uma abordagem emergente para uma alimentação saudável sustentável e aceitação do corpo. Os defensores do modelo acreditam que a culpa não deve ser atribuída as “pessoas que fazem dieta”, mas sim ao processo defeituoso da dieta.

A alimentação intuitiva é baseada em evidências? Sim, de acordo com dezenas de estudos, essa abordagem parece promissora e uma “alternativa realista para lidar com sobrepeso e obesidade do que os tratamentos convencionais para perda de peso” (3).

O que é uma Alimentação Intuitiva?
Photo by Allison Shaw / Unsplash

O que é uma Alimentação Intuitiva?

Não existe apenas uma definição de alimentação intuitiva, pois pessoas diferentes abordam esse estilo de comer de maneiras únicas.

O termo “alimentação intuitiva” foi cunhado pela primeira vez na década de 1990 pelos autores do livro Intuitive Eating, as Dietistas Evelyn Tribole e Elyze Resch. Eles descreveram o AI como:

Uma nova maneira de comer que, em última análise, é livre de problemas e saudável para a mente e o corpo. É um processo que desencadeia os grilhões da dieta (que só podem levar à privação, rebelião e ganho de peso recuperado). Significa voltar às suas raízes - confiar no seu corpo e nos seus sinais.

De acordo com a Associação Nacional de Distúrbios Alimentares, a definição de alimentação intuitiva é: "Confiar na sabedoria do corpo para fazer escolhas em torno de alimentos que sejam bons para o corpo, sem julgamento e sem influência da cultura da dieta" (4).

As taxas de obesidade e excesso de peso continuam a subir, mais e mais pessoas relatam estar em "dietas" do que nunca. Finalmente, clicamos com o público que precisamos de outra maneira de abordar uma alimentação mais saudável.

Muitos estudos descobriram implicações positivas para a AI, incluindo proteção contra a obesidade, redução dos índices de massa corporal, levando a uma mentalidade mais saudável sobre alimentos, redução dos níveis de cortisol e melhoria da imagem corporal (5, 6).

O básico da AI

Evelyn Tribole e Elyze Resch chamam sua abordagem de "afastamento de 180 graus da dieta". Em vez de um forte foco na perda de peso, privação, corte ou contagem de calorias e eliminação de certos alimentos, seu objetivo é ensinar as pessoas a comer maneira que sustenta um relacionamento mais saudável com a comida.

Em essência, o objetivo da AI é praticar a saúde em todos os níveis - tanto fisicamente quanto mentalmente.

Como você aprende a ser intuitivo quando se trata de fazer escolhas alimentares?

Uma maneira é seguir os 10 princípios da alimentação intuitiva (veja abaixo).

Nutricionistas, dietistas e terapeutas envolvidos na pesquisa intuitiva sobre alimentação também reuniram várias diretrizes gerais diferentes para a AI, que incluem:

  • Alimentação principalmente intrínseca...principalmente com base em seus sinais internos de plenitude e fome.
  • Às vezes, comer alimentos extrínsecos...às vezes, comer com base em seu humor, situação social, hora do dia ou disponibilidade de alimentos sem sentimentos de culpa.
  • Anti-dieta...comer isso não é determinado por nenhuma dieta específica, como contar calorias ou seguir um plano  arriscado de dieta com pouca gordura  ou puramente apenas para perda de peso.
  • Autocuidado e aceitação do corpo...independentemente do tamanho atual.

Quais os princípios fundamentais?

De acordo com o IntuitiveEating.org, os 10 princípios alimentares intuitivos são os seguintes:

1. Rejeite a mentalidade da dieta

"Se você permitir apenas uma pequena esperança de que uma dieta nova e melhor possa estar à espreita ao virar da esquina, isso impedirá que você seja livre para redescobrir a alimentação intuitiva".

2. Honre sua fome

“Mantenha seu corpo biologicamente alimentado com energia e carboidratos adequados. Caso contrário, você pode acionar uma unidade primária para comer demais. ”

3. Faça as pazes com a comida

“Chame uma trégua, pare a luta pela comida! Dê a si mesmo permissão incondicional para comer. Se você diz a si mesmo que não pode ou não deveria ter um alimento em particular, isso pode levar a intensos sentimentos de privação que se transformam em desejos incontroláveis ​​e, muitas vezes, em compulsões. ”

4. Desafie a polícia alimentar

“Grite um 'NÃO' alto para pensamentos em sua cabeça que declaram que você é 'bom' por comer calorias mínimas ou 'ruim' porque você comeu um pedaço de bolo de chocolate.”

5. Respeite sua plenitude

“Ouça os sinais do corpo que lhe dizem que você não está mais com fome. Observe os sinais que mostram que você está confortavelmente cheio.

6. Descubra o fator de satisfação

"Quando você come o que realmente deseja, em um ambiente convidativo e propício, o prazer que obtém será uma força poderosa para ajudar você a se sentir satisfeito e contente."

7. Honre seus sentimentos sem usar comida

“Encontre maneiras de confortar, nutrir, distrair e resolver seus problemas sem usar alimentos. Ansiedade, solidão, tédio, raiva são emoções que todos experimentamos ao longo da vida. Cada um tem seu próprio gatilho e cada um tem seu próprio apaziguamento. A comida não resolverá nenhum desses sentimentos.

8. Respeite seu corpo

"Aceite seu modelo genético...É difícil rejeitar a mentalidade da dieta se você não é realista e critica demais a forma do seu corpo."

9. Exercício - sinta a diferença

"Mude seu foco para a sensação de mover seu corpo, em vez do efeito de queima de calorias do exercício."

10. Honre sua saúde

“Faça escolhas alimentares que respeitem sua saúde e paladar, enquanto faz você se sentir bem. Lembre-se de que você não precisa seguir uma dieta perfeita para ser saudável.”

Quais os benefícios da alimentação intuitiva?
Photo by MD Duran / Unsplash

Quais são os benefícios?

Reduz o estresse e a ansiedade em relação às escolhas alimentares

Obviamente, nutrição e exercício são peças importantes do quebra-cabeça quando se trata de viver uma vida saudável, mas, acima de tudo, a prioridade em termos do AI é "rejeitar a mentalidade da dieta", que faz com que muitas pessoas se sintam culpadas, estressadas cronicamente e fora de contato com seus próprios corpos.

De acordo com um artigo de 2019 publicado no Health Psychology Open, comer intuitivamente pode resultar em melhoria do bem-estar, menores níveis de estresse e menor produção de cortisol, o principal "hormônio do estresse" associado ao ganho de peso, distúrbios de humor e problemas para dormir. Pessoas que se concentram na saúde antes do peso tendem a experimentar estados emocionais mais agradáveis ​​em geral, de acordo com estudos (7).

Os comedores intuitivos relatam sentir-se otimistas, felizes, agradecidos, mais socialmente integrados, eficazes e resistentes. É mais provável que eles sejam fisicamente ativos regularmente, talvez porque valorizem mais seus corpos e tenham mais energia (8).

Incentiva a flexibilidade e come uma grande variedade de alimentos

Exatamente o oposto dos planos de dieta mais rápidos, a AI propõe uma maneira de comer que permite  toda e qualquer escolha de alimentos. Essencialmente, nada está fora dos limites e não há limite para quantas calorias, gramas de gordura ou carboidratos podem ser consumidos em um dia.

Embora a alimentação intuitiva por si só não necessariamente ajude alguém a reduzir os riscos à saúde e a tomar decisões dietéticas inteligentes, a AI espera incentivar uma alimentação saudável de uma maneira radicalmente nova: reconciliando questões proibidas de alimentos, liberando os grilhões comuns da dieta (privação, rebelião e recuperação de peso) e ajudar as pessoas a voltar a confiar nos próprios sinais e preferências naturais do corpo (9).

É por isso que um estudo de 2019 encontrou evidências de que a AI pode ajudar os adultos a comer por razões físicas, e não emocionais, e a confiar melhor em sinais de fome e saciedade (10).

Pode ajudar a melhorar a saúde mesmo sem perda de peso

Pensando em quão "saudável" esse modo de comer pode realmente ser quando se trata de nutrição e peso? Um estudo  publicado na Public Health Nutrition constatou que os escores alimentares intuitivos mais altos estavam associados a um controle de peso mais saudável e a um IMC mais saudável, além de melhores indicadores de saúde física além do IMC (como pressão arterial e níveis de colesterol) (11).

Isso sugere que ouvir os sinais do seu corpo para determinar o que, quando e quanto comer é uma das melhores maneiras de impedir o ganho de peso a longo prazo.

A Ohio State University publicou um grande estudo sobre mais de 1.300 mulheres que se concentrou em várias características-chave da alimentação intuitiva, incluindo (12):

  1. Permissão incondicional para comer com fome e os tipos de alimentos desejados
  2. Comer por razões físicas e não emocionais
  3. Dependência de sinais internos de fome e saciedade para determinar quando e quanto comer

As mulheres primeiro completaram a escala de alimentação intuitiva (AIs) para medir se se identificaram como comedoras intuitivas. Comparado com as mulheres que obtiveram baixa pontuação nessa escala, verificou-se que os praticantes da alimentação intuitiva têm maior:

  • Auto-estima, aceitação corporal e satisfação
  • Níveis mais baixos de estresse por serem magros e adequados a ideais culturais;
  • Mais satisfação com a vida e sentimentos positivos, incluindo otimismo e enfrentamento proativo das emoções
  • Melhor consciência das sensações físicas originárias do corpo (fome, plenitude, batimentos cardíacos acelerados, respiração pesada, etc.)
  • E índices de massa corporal em níveis mais saudáveis

Em resumo, aqueles que praticam o AI parecem se beneficiar de menos estresse, inclusão de uma variedade de alimentos e autocuidado.

Cria autoconfiança e confiança

Como remove o estresse, a privação e a desconfiança da equação da perda de peso, o IE conta com uma melhor conexão mente-corpo. Isso ajuda a maioria das pessoas a fazer boas escolhas alimentares com mais frequência, a ter um melhor contato com os sinais de fome e plenitude do corpo e a respeitar e apreciar seu corpo único em qualquer tamanho.

A American Psychological Association identificou um benefício adicional da alimentação intuitiva: melhor autoconfiança e confiança nos sinais inatos de fome e saciedade do corpo.

Os praticantes da alimentação intuitiva dependem principalmente de seus corpos para dizer quando e quanto comer, em vez de quais alimentos estão à sua frente, a hora do dia, o tamanho das porções servidas em restaurantes ou o que os outros estão comendo (13).

Estudos também mostram que uma melhor confiança no próprio corpo leva a uma maior auto-estima, sendo mais atento às necessidades básicas do corpo e tendo um risco menor de sintomas de transtorno alimentar (como bulimia, compulsão alimentar ou anorexia) ou imagem corporal negativa.

Funciona para perda de peso?

Se você espera encontrar uma alimentação intuitiva antes e depois das fotos mostrando resultados drásticos de perda de peso, provavelmente ficará decepcionado. A conexão entre alimentação intuitiva e perda de peso é controversa, mas muitos especialistas da AI afirmam que a perda de peso não é um objetivo principal da AI.

A maioria dos defensores da AI acredita que o objetivo da perda de peso não deve ser o centro das atenções, mas deve ser colocado em segundo plano para se concentrar na saúde geral e em se sentir bem. Alguns estudos também descobriram que a AI não leva à perda de peso em muitos casos, especialmente se comparado ao controle rigoroso da ingestão calórica (14).

Aqui estão algumas boas notícias:

  • Alguns estudos descobriram que as pessoas que comem intuitivamente têm menos probabilidade de passar pelo efeito sanfona, porque se envolvem em menos comportamentos que levam a emoções comer ou ganho de peso.
  • Praticantes da AI podem ser menos propensos a comer na ausência de fome, comer para aliviar o estresse, comer devido a fatores situacionais ou sociais, como pressão dos colegas, restringir certos grupos alimentares e compulsão por privações.

Os especilistas em AI acham que a falta de conhecimento sobre nutrição geral não é um dos principais motivos pelos quais muitos adultos não conseguem perder peso - são os motivos emocionais por trás da alimentação que são mais difíceis de superar.

Inicialmente, algumas pessoas são altamente céticas sobre como qualquer plano alimentar que permita todos os alimentos e uma contagem zero de calorias pode realmente ajudar a promover o controle de peso e melhorar a saúde mental.

Porém, numerosos estudos mostram que a rejeição total da maioria das “dietas” resulta em melhor  aceitação do corpo, controle de peso saudável, dieta com menos ioiô, principalmente escolhas alimentares bem nutridas e nutritivas e incidência ainda menor de sintomas de distúrbios alimentares (15).

Alimentação Intuitiva vs. Midfull Eating

O Mindfull Eating descreve o processo de estar consciente enquanto come. Envolve prestar atenção (de propósito) à sua experiência real de comer, sem julgamento.

Esse conceito é considerado por alguns como uma parte importante da alimentação intuitiva, pois a AI é tudo sobre sintonização da mente, corpo e comida.

No entanto, a AI é uma filosofia mais ampla que também aborda a atividade física e rejeita as normas da sociedade.

Você pode combinar princípios de ambos? Se sim, o que seria "Comer Intuitivamente com Atenção" ou "Mindful Intuitive Eating"?

Sim você pode. Você faz isso ouvindo os sinais do corpo que lhe dizem que você está começando a ficar com fome e, quando tiver o suficiente, para se sentir satisfeito.

Conheça como é estar “confortavelmente cheio” sem ficar muito cheio. Além disso, tente comer antes de se sentir "faminto", o que pode facilmente levar a comer demais antes de atingir a  saciedade.

Muitas pessoas acham útil desacelerar ao comer, mastigar bem os alimentos, comer sem distrações (sem enviar e-mail, assistir TV, dirigir etc.) e fazer uma pausa no meio de uma refeição ou lanche para observar como estão cheios.

Pratique o Mindfull Eating (Alimentação Consciente) e pergunte a si mesmo se o que você está comendo realmente está satisfazendo você, ou se você está simplesmente comendo porque está lá.

Um princípio que muitos praticantes da alimentação intuitiva adoram seguir é:

Se você não o ama, não o coma, e se você o ama, saboreie-o.
Etapas para adotar a Alimentação Intuitiva
Photo by Brandless / Unsplash

6 Etapas para adotar a Alimentação Intuitiva

Pronto para aprender como começar a comer intuitivamente? Comece seguindo estas dicas úteis sobre alimentação intuitiva:

1. Reconheça que as dietas restritas ou da moda não funcionam

É tentador acreditar que há uma maneira de perder peso de maneira rápida, fácil e permanente, tomando medidas drásticas, eliminando grupos de alimentos inteiros, cortando radicalmente calorias ou adotando uma  dieta pobre em carboidratos.

Mas, na realidade, a maioria das pessoas não pode anular a biologia natural e os desejos de seu corpo por longos períodos de tempo.

Em vez de tentar fazer dieta após dieta, apenas para se sentir um fracasso toda vez que você "cai da carroça", para de fazer dieta todos juntos.

Desista da ideia de que há novas e melhores dietas à espreita e volte ao que funcionou para as pessoas há séculos: comer alimentos de verdade, praticar moderação e movimentar o corpo! Procure uma  dieta rica em nutrientes que suporte um corpo saudável, mente estável e níveis de energia constantes, tudo sem tentar ser "perfeito".

Faça escolhas alimentares que honrem sua saúde e satisfaçam seu paladar, enquanto também fazem você se sentir bem. Se você não tiver exatamente certeza de quais alimentos funcionam melhor para você e quais não, considere usar uma pasta de exercícios intuitiva para acompanhar suas reações a diferentes alimentos ou talvez trabalhe com um treinador de comida intuitivo treinado.

2. Consuma as calorias suficientes

A motivação de simplesmente querer perder peso para parecer melhor, especialmente para um evento específico, pode ser temporária e passageira - mas ainda mais importante, faz com que muitas pessoas se privem de calorias e descanso suficientes, o que tem efeitos prejudiciais no metabolismo.

Reconheça que é importante fornecer ao seu corpo as calorias necessárias, caso contrário, é provável que você lide com sentimentos de fadiga crônica, privação e ressentimento, além de ter vontade de comer demais ou comer compulsivamente devido a alterações biológicas.

3. Evite pensar em "bom/ruim" ou "preto/branco" sobre certos alimentos

É verdade que alguns alimentos são mais densos em nutrientes do que outros, mas prometer 100% de eliminar certos alimentos ou grupos de alimentos de sua dieta para sempre pode apenas aumentar o estresse e os sentimentos de preocupação com "alimentos proibidos".

Comedores intuitivos visam "fazer as pazes com comida, chame para uma trégua e pare a luta pela comida.”

Obviamente, você deseja priorizar a ingestão de todos os tipos de alimentos saudáveis ​​em vez de alimentos altamente processados, mas não espere perfeição e presuma que nunca mais terá seus alimentos favoritos.

Se você diz a si mesmo que não pode ou não deve ter um alimento específico novamente, isso pode levar a sentimentos intensos de vergonha junto com desejos incontroláveis.

Os especialistas acreditam que pensar tudo ou nada sobre alimentos pode aumentar a probabilidade de compulsão, porque quando alguém finalmente “cede” a seus alimentos proibidos, é tentado a comer quantidades muito grandes, a sentir que é sua “última chance”. e depois sentir uma culpa avassaladora.

Lembre-se de que é o que você come consistentemente ao longo do tempo que importa e que "progresso, não perfeição" é o objetivo. Tente o seu melhor para não ver certos alimentos (ou grupos de alimentos inteiros, como carboidratos, gorduras ou proteínas animais, por exemplo) como "ruins".

Em vez disso, apenas tente tê-los com menos frequência e concentre sua atenção em  adicionar  mais coisas que apóiam sua saúde e fazem você se sentir bem.

5. Aprenda a comer quando estiver com fome e pare quando estiver cheio

"Sentir sua plenitude" e "honrar sua fome" são dois princípios fundamentais da alimentação intuitiva.

Muitas pessoas acham que, quando não categorizam nenhum alimento como totalmente fora dos limites ou se privam de calorias suficientes, podem finalmente começar a comer de acordo com o que o corpo realmente precisa.

5. Encontre maneiras de lidar com o estresse e as emoções sem o uso de alimentos

Para muitas pessoas, o AI abre as portas para encontrar novas maneiras de se despir, confortar, nutrir ou distrair-se e resolver problemas emocionais, sem comer demais ou recorrer à comida reconfortante.

De tempos em tempos, todos sentimos emoções difíceis, como frustração, ansiedade, solidão ou tédio, mas é importante perceber que a comida não pode realmente consertar nenhum desses sentimentos ou resolver problemas em sua vida.

A alimentação emocional pode parecer boa no momento, mas na verdade costuma piorar ainda  mais o problema inicial, porque você também precisa lidar com sentimentos de vergonha ou desconforto.

Quer saber como ser mais feliz todos os dias e encontrar saídas apropriadas para emoções e estresse desconfortáveis?

Tente exercitar-se de uma maneira divertida, meditando ou curando a oração, escrevendo um diário, massoterapia, acupuntura ou passando tempo com as pessoas que você ama.

Quando se trata de aprender a lidar com o estresse de maneira saudável, muitas pessoas também podem se beneficiar ao manter um diário alimentar intuitivo ou ao usar um aplicativo alimentar intuitivo para suporte, como o YouAte.

Isso é útil para tornar-se mais consciente dos hábitos não saudáveis, do que você está comendo e por que e como se sente antes e depois de comer.

Por exemplo, você pode escrever o que comeu, o que sentiu, o quão faminto estava, o quão cheio estava depois e seus sentimentos em relação a diferentes experiências alimentares.

De acordo com um estudo piloto de 2019 que está investigando o uso de aplicativos de smartphones para aprender o AI, acredita-se que o envolvimento nesses tipos de práticas ajuda a "preencher a lacuna entre as intenções de realizar um comportamento específico e a mudança comportamental real" (16).

6. Pratique a aceitação do corpo e seja realista sobre seus objetivos

Todos temos uma genética única, e para muitas pessoas, atingir o seu "peso ideal" é irreal, insustentável e possivelmente até prejudicial. Só porque você está carregando um pouco de peso extra do que gostaria não significa necessariamente que você não é saudável e que precisa se forçar a ser menor.

Pergunte a si mesmo se seus objetivos são realistas...

  • Você está definindo um limite muito alto?
  • A sua dieta atual ou rotina de exercícios está causando mais estresse e danos do que vale a pena?
  • Você está aceitando seu corpo natural ou constantemente lutando contra sua genética e se espancando?

Respeite seu corpo, abandone a culpa o máximo que puder e comece a se sentir melhor sobre quem você é, para que possa cuidar melhor de si mesmo a longo prazo.

Alimentação intuitiva para crianças
Photo by Jason Rosewell / Unsplash

Alimentação intuitiva para crianças

Os princípios da alimentação intuitiva podem beneficiar crianças e pais, pois a alimentação intuitiva cria autonomia e autoconfiança. Um especialista conceituado em alimentação infantil chamado Ellyn Satter chegou a criar o Modelo Dinâmico de Alimentação no início dos anos 80 para ajudar os pais a criar seus filhos com hábitos intuitivos (17).

Nesse modelo, o pai ou o cuidador fornece estrutura escolhendo quais alimentos servir nas refeições e lanches regulares, enquanto a criança decide quanto dos alimentos oferecidos para comer. O objetivo é permitir que as crianças permaneçam sensíveis aos sinais internos de fome e saciedade e evitar perturbar a capacidade da criança de auto-regular a ingestão de energia e a quantidade de comida ingerida.

De acordo com um artigo publicado pela Today's Dietician Magazine (18):

Permitir que as crianças comam intuitivamente proporciona às crianças um maior senso de auto-estima, compreensão dos limites, conexão com a família e os cuidadores durante as refeições e, normalmente, eles desfrutam de uma variedade maior de alimentos...enquanto estratégias como encorajar, subornar ou enganar podem por serem bem-intencionados, eles acabam aumentando a alimentação exigente e as lutas de poder cada vez maiores à mesa.

De acordo com nutricionistas especilistas na AI para crianças, a melhor coisa que os pais podem fazer ao alimentar seus filhos é não dizer nada quando a comida estiver na frente da criança, mas concentrar-se em oferecer lanches e refeições nutricionalmente completos que forneçam pelo menos dois dos três macronutrientes.

Dizem que isso “ajuda a promover o humor estável e o açúcar no sangue, ajudando crianças e pais a sentir verdadeira fome e plenitude”. Muitos especialistas também recomendam comer em família à mesa, sem dispositivos ou outras distrações.

Riscos e efeitos colaterais

Como você começa a comer de maneira intuitiva se tem um histórico de desordem alimentar ou um relacionamento complicado com a comida?

A melhor coisa a fazer nessa situação é procurar ajuda de um conselheiro alimentar intuitivo, que pode ser um nutricionista, terapeuta ou técnico de saúde registrado que tenha recebido uma certificação alimentar intuitiva.

Isso é especialmente importante se você já lutou com um distúrbio alimentar no passado, pois o AI tende a trazer muitos sentimentos difíceis e pode ser difícil navegar sozinho durante os diferentes estágios de recuperação dos distúrbios alimentares.

Uma razão pela qual o AI pode ser difícil durante a recuperação é porque os sinais de fome/saciedade tendem a não ser confiáveis ​​por um período de tempo, à medida que o corpo se ajusta.

Durante os estágios iniciais da recuperação, os planos de refeições são muitas vezes necessários para ajudar na restauração do peso, nutrir o corpo e estabelecer padrões alimentares normalizados, mas depois de algum tempo, o AI pode se tornar mais um foco.

Recomenda-se que aqueles que enfrentam problemas relacionados à alimentação leiam primeiro o livro oficial sobre Alimentação Intuitiva para se ajudarem a aprender mais.

Também é recomendável que eles encontrem um nutricionista que realmente entenda esse trabalho e como ele deve ser implementado durante a recuperação.


Ultima atualização - 2019-11-07

Você se inscreveu com sucesso no Nutricionando | Nutrição, Saúde e Alimentação
Bem-vindo de volta! Você fez login com sucesso.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Excelente! Sua conta está totalmente ativada, agora você tem acesso a todo o conteúdo.